18/04/2013

graci as

passei um tempo fora
andando sozinho
correndo o continente
procurando história, gente -
sem titubear,
deixei tudo pra trás
tudo passar
e fui embora, passarinho.
eu não guardo mágoa
não guardo água
não guardo nada.
meu peito é um buraco
aberto. não tenho medo
do ridículo.
o que me amedronta
- mesmo -
é não sê-lo.
me abraço no tempo
não faço projeção,
mas isso foi ontem.
depois que você apareceu
tudo me pareceu tão
desimportante...

sabe, tenho a impressão
que te amo faz tempo -
antes mesmo
de saber
que você existia.